Boletim 204: Estratégia Nacional De Ciência, Tecnologia E Inovação 2012-2015

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) elaborou a publicação Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012-2015 e Balanço das Atividades Estruturantes 2011. O livro está disponível para leitura em PDF [http://www.mct.gov.br/upd_blob/0218/218981.pdf]

O documento, organizado pela Secretaria Executiva, descreve os desafios, eixos de sustentação, programas prioritários, fontes de recursos e metas da estratégia nacional (conhecida pela sigla Encti) para os próximos quatro anos.
Na página 197 do documento lê-se:

Introdução
O objetivo central desta proposta é atualizar e dinamizar o PNAE. Para que o PNAE  possa atender as necessidades do País e ser capaz de trazer para a sociedade, de forma autônoma, os benefícios das atividades espaciais, é necessário que haja o domínio das tecnologias que propiciem essa autonomia. Essas tecnologias são ditas criticas. Não só o domínio dessas tecnologias é importante para o atingimento desse objetivo, mas, também, a eficaz participação da industria brasileira e das universidades á imprescindível nesse esforço.Buscando esse objetivo, a Agência Espacial Brasileira (AEB) avaliou o histórico de realizações do PNAE, em reuniões promovidas entre abril e maio de 2011. Nesses encontros foram analisados:

(1) os resultados atingidos;
(2) as demandas nacionais para o setor em relação a carteira atual de projetos do PNAE; e
(3) a organização e o funcionamento do Sistema Nacional de Desenvolvimento das Atividades Espaciais (SINDAE), coordenado pela AEB.

Essenciais nessa avaliação foram as contribuições de quatro documentos:
I) “A Política Espacial Brasileira”, produzido pelo Conselho de Altos Estudos da Câmara dos Deputados;
II) “Desafios do Programa Espacial Brasileiro”, editado pela Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE);
III) “A Visão da AAB para o Programa Espacial Brasileiro”, preparado pela Associação Aeroespacial Brasileira (AAB); e
IV) “Propostas para Reformulação do Programa Nacional de Atividades Espaciais”, de 30 de junho de 2011, enviado pela Associação das Indústrias Aeroespaciais do Brasil, (AIAB).

Eles ofereceram subsídios e recomendações para corrigir e aperfeiçoar a política e o programa brasileiro de atividades espaciais.
A AAB recomenda sua leitura !

A Diretoria
Associação Aeroespacial Brasileira – AAB